Do virtual ao real: desenvolvimento e aplicações do simulador da BMW

0
Postado 31 de janeiro de 2019 por bisponeto em Automobilismo
Antes mesmo que um carro de Fórmula E, como o monoposto BMW iFE.18, possa triunfar nas pistas de corrida, uma grande quantidade de trabalho de preparação e desenvolvimento virtual é necessária. Os engenheiros que trabalham na categoria BMW i Motorsport usam um simulador desenvolvido e concebido para esse trabalho. É neste simulador que a maioria dos testes ocorre – tanto na fase de desenvolvimento quanto na preparação imediata para as corridas nos finais de semana. Sem um simulador sofisticado, a participação bem-sucedida no Campeonato de Fórmula E da ABB FIA (Federação Internacional de Automobilismo) não seria concebível. Aqui está uma visão sobre o mundo virtual da BMW Motorsport.

Antes de uma corrida da Fórmula E, a rotina é sempre a mesma: os pilotos da equipe BMW i Andretti Motorsport, Antônio Félix da Costa (Portugal) e Alexander Sims (Grã-Bretanha) viajam para a sede da BMW Motorsport, em Munique, na Alemanha, juntamente com engenheiros do time para uma sessão de testes – porém, não em um carro de corrida real e em uma pista, mas, sim, em um simulador. É assim que eles se preparam para os circuitos de rua do calendário da Fórmula E, além de trabalhar meticulosamente com os engenheiros, analisando todas as situações possíveis que poderiam ocorrer no fim de semana da corrida. Possibilidades de configuração, clima, safety car, gerenciamento de energia, e MODO ATAQUE, em que as simulações compreendem todas as eventualidades dentro de uma gama de opções técnicas.

Tão perto da realidade quanto possível em software e hardware

Durante este tipo de simulação de corrida, todos os detalhes são analisados. O foco está no carro virtual do software, configurado pelos próprios engenheiros da BMW Motorsport. Ele mapeia todos os parâmetros da dinâmica de condução da forma mais realista possível. O software é otimizado para uso em corridas, mas também é compatível com todos os outros simuladores do BMW Group e, portanto, oferece valiosas sinergias entre o automobilismo e a produção de veículos em série.

Além do software, o hardware também reproduz áreas relevantes fiéis à realidade. O ambiente do cockpit do piloto, ou seja, a posição do assento, os controles e tudo mais à vista e ao alcance deles correspondem à realidade 1 para 1. O mesmo se aplica aos engenheiros. O ambiente de trabalho deles é o mesmo no simulador e na pista. Assim como o software, todos os componentes do hardware são desenvolvidos pelos próprios engenheiros da BMW Motorsport. O foco está sempre na funcionalidade máxima.

Simulador indispensável durante o desenvolvimento do BMW iFE.18

Além da preparação para a corrida, o simulador é essencial para o desenvolvimento de todos os diversos carros-conceito da BMW Motorsport – sendo o BMW iFE.18 um deles. Esta tecnologia permitiu que os engenheiros testassem cenários com os pilotos e que não teriam sido possíveis, ou viáveis apenas por meio de um grande esforço em termos de tempo e recursos. Particularmente, um simulador é essencial para a Fórmula E.

A importância da realidade virtual também vem crescendo em outras categorias da BMW Motorsport, por esta razão o simulador é utilizado com frequência. Desde o início, ele foi desenvolvido para a multifuncionalidade e pode ser usado para simular todos os carros de corrida da BMW. Leva apenas algumas horas para modificar o simulador de um Fórmula E para uma configuração DTM (Deutsche Tourenwagen Meisterschaft), o Campeonato Alemão de Carros de Turismo – tornando-o compatível para testes virtuais no BMW M4 DTM, por exemplo.


0 Commentarios



Seja o primeiro a comentar!


Deixe uma resposta


(obrigatório)