Jeep Compass Longitude 2.0 Flex AT6 tem muito conforto e desempenho

0
Postado 15 de fevereiro de 2020 por bisponeto em Testes
O Automanianet avaliou o Jeep Compass Longitude 2.0 Flex AT6 2020. O SUV de sucesso em vendas ganhou acréscimos nas listas de itens de série em todas as versões. Foram oito dias rodando em trânsito urbano, com uma rápida volta até o Litoral Paranaense, para sentir as suas habilidades na estrada.

As versões Compass Longitude (Flex e Diesel) receberam a partir desse ano retrovisor interno eletrocrômico, acendimento automático dos faróis e sensor de chuva e o sistema de estacionamento Park Assist, além de itens como luzes diurnas de LED, rodas aro 18, central multimídia com tela de 8,4 polegadas, ar-condicionado de duas zonas, chave presencial, partida por botão, entre outros. Esses equipamentos certamente vão alavancar ainda mais a as vendas do modelo.

Desde o seu lançamento em 2016 no Brasil, o Jeep Compass Longitude 2.0 AT6 (Flex ou Diesel) chegou para ser uma versão intermediária da linha, que há vários anos lidera as vendas no País, alternando a liderança com o seu companheiro de marca, o Jeep Renegade. O preço do Compass Longitude 2.0 Flex AT6 inicia em R$ 134.990,00, com boa relação custo-benefício pelo espaço, conforto e equipamentos disponível aos ocupantes do veículo.

A motorização da linha 2020 do Jeep Compass  não recebeu qualquer alteração. O motor 2.0 flex (Tigershark) tem quatro cilindros e potência de 166 cv (etanol) a 6.000 rpm e 159 cv (gasolina) a 6.000 rpm e torques máximos de 20,5 kgfm (álcool) a 4.000 rpm e 19,9 kgfm (gasolina) a 4.000 rpm. As versões equipadas com o motor flex têm câmbio automático de seis marchas e tração dianteira. Durante a nossa avaliação, o Compass Longitude 2.0 AT6 teve um consumo médio de 5,5 km/l na cidade e 7,2 km/l na estrada com álcool. Já com gasolina o consumo passa a 8,1 km/l na cidade e 10,5 km/l na estrada.

São números muito bons para um SUV médio de luxo, no uso diário nas cidades ou nas estradas, onde os cinco ocupantes do veículo desfrutam de bom espaço interno e conforto, além do porta-malas que pode receber até 410 litros de bagagem. Lembrando que a nossa avaliação sempre é feita como os seus proprietários o fariam, obedecendo sempre as sinalizações de trânsito e limites de velocidade por onde rodamos. Certamente é uma boa opção para o segmento de SUV, com posição mais alta dirigir, o que dá a sensação de mais segurança, mas é garantido por equipamentos como controles de tração e estabilidade, e, controle eletrônico anti capotamento.

Preços de revisão

As revisões programadas do Jeep Compass Flex, desde 2019, devem ser realizadas a cada 12 mil km ou 12 meses, o que acontecer primeiro. E o importante é que os proprietários já sabem dos valores que serão pagos até os 60 mil km: Aos 12 mil ou 12 meses, R$ 496; nos 24 mil ou 24 meses, R$ 775; com 36 mil ou 36 meses, R$ 841; aos 48 mil ou 48 meses, R$ 795; e com 60 mil ou 60 meses, R$ 1.620; segundo a concessionária Jeep Divesa, no Bairro Tarumã, em Curitiba-Pr.


0 Commentarios



Seja o primeiro a comentar!


Deixe uma resposta


(obrigatório)