McLaren Elva: roadster extremo celebra o implacável espírito pioneiro

0
Postado 21 de novembro de 2019 por bisponeto em Automóveis
A McLaren Automotive revelou seu novo roadster Ultimate Series, o McLaren Elva. Como o primeiro carro de rua da marca com cockpit aberto, o Elva adiciona uma nova dimensão à linhagem topo de linha Ultimate Series. Como seus antecessores McLaren P1, McLaren Senna e McLaren Speedtail, o volume do novo McLaren Elva será estritamente limitado: apenas 399 estão sendo oferecidos para pedidos de clientes.

O nome Elva comemora os renomados M1A projetados por Bruce McLaren e McLaren-Elva M1A (Mk I), M1B (Mk II) e M1C (Mk III) da década de 1960. Produzidos como versões “cliente” dos carros de corrida inovadores e emocionantes do Grupo 7 da McLaren, os carros esportivos da McLaren-Elva incorporavam muitos dos princípios pioneiros de design e engenharia que são parte integrante dos carros de estrada da McLaren produzidos hoje.

O novo McLaren Elva é um carro de cabine aberta ferozmente rápido; um carro de dois lugares com chassi e carroceria de fibra de carbono sob medida, mas sem teto, sem para-brisa e sem janelas laterais. Com todas as informações sensoriais aumentadas, este é um carro que existe para proporcionar um prazer de pilotagem incomparável na estrada ou na pista.

Um motor McLaren V8 biturbo de 4 litros, da mesma família de motores do McLaren Senna e do McLaren Senna GTR, se combina ao veículo de rua de menor peso já produzido pela McLaren Automotive para dar ao novo roadster superleve da Ultimate Series um desempenho verdadeiramente deslumbrante, com níveis extraordinários de aceleração, agilidade e feedback ao piloto.

A aparência do McLaren Elva é tão marcante e única quanto a experiência de dirigi-lo. O nariz baixo e os picos pronunciados do pára-choque dianteiro proporcionam impacto visual e, ao mesmo tempo, aprimoram a visibilidade para a frente. Pára-lamas traseiros grandes em fibra de carbono fluem da frente da porta para o convés traseiro, enquanto a altura dos contrafortes duplos é minimizada usando um sistema de proteção contra capotamento implantável.

Capacetes podem ser usados se o piloto preferir, mas a forma e a escultura superiores da cabine envolvem o piloto e o passageiro para proporcionar um ambiente seguro. Um derivado do carro com pára-brisas fixo também está disponível para a maioria dos mercados como opção de fábrica.

Primeira proteção aerodinâmica do mundo

Uma conexão verdadeira com os elementos é essencial para a experiência de dirigir do McLaren Elva, mas isso não impediu a McLaren de inovar. O Sistema de Gerenciamento de Ar Ativo (AAMS, Active Air Management System), pioneiro no mundo, aumenta o prazer de dirigir. O sistema canaliza o ar através do nariz do Elva para sair da garra dianteira em alta velocidade à frente dos ocupantes antes de ser direcionado para o cockpit para criar uma relativa “bolha” de calmaria. O sistema compreende uma grande entrada central situada acima do divisor, um orifício de saída frontal em concha e um discreto defletor de fibra de carbono que sobe e desce verticalmente. Quando o AAMS está ativo, o defletor é acionado na borda principal da saída do capô, subindo 150 mm no fluxo livre para criar uma zona de baixa pressão na ventilação.

O ar é direcionado através de um raio de 130 graus, usando uma rede de pás de fibra de carbono montadas transversalmente e longitudinalmente através da saída do capô. Distribuir o fluxo de ar na frente e ao longo da lateral da cabine auxilia ainda mais no gerenciamento do ar no ambiente da cabine. Em velocidades urbanas, quando o nível de fluxo de ar na cabine significa que o AAMS não é necessário, o sistema fica inativo. À medida que a velocidade do veículo aumenta, o AAMS é implantado automaticamente e permanece ativo até a velocidade diminuir, momento em que o defletor se retrai. O sistema também pode ser desativado por botão pelo piloto.

Design estético e técnico em harmonia

A filosofia de design da McLaren vincula intrinsecamente design estético e design técnico em vez de separar as disciplinas de design e engenharia, como é comum na indústria automotiva. O AAMS é um exemplo dos resultados dessa abordagem harmoniosa, sendo perfeitamente integrado à funcionalidade aerodinâmica e de refrigeração do McLaren Elva.

Quando o AAMS está inativo, o duto central é vedado, desviando o fluxo de ar para os radiadores de baixa temperatura (LTR, Low-Temperature Radiators) e aumentando sua eficiência de refrigeração. Para fornecer condições ideais de embalagem para o AAMS, o McLaren Elva possui radiadores duplos de baixa temperatura posicionados à frente de cada roda dianteira. Os novos núcleos usados nesses LTRs contribuem para a potência de 815 HP do motor ao reduzir a temperatura do ar de sobrealimentação e também resfriando o óleo na transmissão de sete velocidades.

Além de abrigar o AAMS, a concha frontal apresenta contornos profundos que dirigem o ar para um duto discreto na borda principal de cada porta de fibra de carbono − a mais leve que a McLaren já criou. Esse ar de resfriamento capturado é então direcionado para os dois radiadores de alta temperatura (HTRs) montados na traseira, resfriados ao trem de força, localizados logo à frente das rodas traseiras. Um segundo duto inferior, que começa dentro do arco da roda dianteira, também canaliza ar através da zona da carroceria para os HTRs, que são alimentados adicionalmente pelas entradas principais visíveis nas laterais. As entradas na parte traseira de cada contraforte canalizam o ar de combustão para os filtros de ar expostos sob o tonneau, que alimentam o plenum do motor de fibra de carbono.

A borda traseira da carroceria apresenta um spoiler traseiro ativo tão largo quanto o veículo. Sua altura e ângulo são ajustados simultaneamente para otimizar o equilíbrio aerodinâmico. A funcionalidade Airbrake melhora a frenagem em altas velocidades, variando a faixa de operação à medida em que o AAMS esteja ativo. O difusor traseiro trabalha em conjunto com o spoiler traseiro ativo. O McLaren Elva tem um fundo completamente plano até o ponto do eixo traseiro, no qual o difusor inicia e aumenta em altura para acelerar a saída de ar sob o veículo. O difusor possui “cercas” verticais que orientam o fluxo de ar sem reduzir o caminho de evacuação do ar e combinam-se com as extensões laterais do para-choque traseiro para melhorar ainda mais a eficiência aerodinâmica.

Desempenho imersivo – e definitivo

O núcleo do McLaren Elva é (como em todos os carros de rua e de corrida da McLaren desde 1981) um monocoque de fibra de carbono. Esse chassi de última geração é incrivelmente forte e rígido e suas propriedades inerentes significam que um roadster de cabine aberta não requer nenhum reforço adicional, como seria o caso em um veículo construído em alumínio ou aço. Por outro lado, apesar de sua rigidez, a fibra de carbono também é incrivelmente leve, ajudando a reduzir o peso geral do veículo.

Para esse efeito, a fibra de carbono também tem sido amplamente utilizada em todo o McLaren Elva. Toda a carroceria é de carbono e a McLaren expandiu os limites do material para não apenas criar formas esculpidas incríveis, mas também reduzir o peso. A concha frontal, por exemplo, tem apenas 1,2 mm de espessura e atende a todos os objetivos de integridade estrutural da McLaren − mas forma um painel de peça única surpreendente que envolve todo o nariz do veículo e fornece uma visão limpa e ininterrupta sem a junção de painéis. Talvez ainda mais impressionantes sejam os painéis laterais da carroçaria, cada um com mais de três metros de comprimento e que se estendem desde as rodas dianteiras, passando pelas entradas laterais, ao redor da tampa traseira do tonneau e até o spoiler traseiro ativo.

Cada porta é construída inteiramente de fibra de carbono e apresenta um design de dobradiça única, montada no veículo logo atrás da concha frontal. As portas abrem em estilo “tesoura”, uma marca registrada da McLaren. O piso do McLaren Elva é em fibra de carbono exposta, mais uma vez destacando a economia de peso. A praticidade é aprimorada com o uso de material antiderrapante em pontos selecionados, ou tapetes sob medida, se preferir.

O carbono também forma o núcleo do sistema de freios, o mais avançado já instalado em um carro de rua da McLaren. Cada disco de cerâmica de carbono sinterizado mede 390 mm e leva muito mais tempo para ser produzido que um disco de cerâmica de carbono convencional, mas o material resultante é muito mais forte e possui melhor condutividade térmica. Isso permite que os discos de freio dianteiros, em particular, sejam reduzidos em tamanho, beneficiando a massa não suspensa e mantendo a eficiência. Os requisitos de resfriamento são reduzidos, reduzindo o duto de freio necessário, o que reduz ainda mais o peso e melhora a eficiência aerodinâmica. O sistema de freios foi introduzido pela primeira vez no McLaren Senna, mas foi aprimorado para o Elva com a adição de pistões de pinça de titânio que economizam um total de 1 kg no veículo.

Esse poder de frenagem é essencial devido ao desempenho oferecido pelo motor McLaren V8 biturbo de 4 litros que move o Elva: 815 HP de potência e 800 Nm de torque. Pertencente à mesma família de motores que alimenta o McLaren Senna e o Senna GTR, ele possui um eixo de manivela plano, lubrificação por cárter seco e árvores de cames, hastes e pistões de conexão de baixo peso que reduzem a massa no trem de força. A potência é direcionada para as rodas traseiras por meio de uma caixa de câmbio de sete marchas e, trabalhando em conjunto com uma função de controle de largada, o desempenho é de tirar o fôlego: aceleração de 0 a 100 km/h em menos de três segundos, enquanto o McLaren Elva é mais rápido que o McLaren Senna de 0 a 200 km/h em apenas 6,7 segundos (os números de desempenho ainda serão validados pela McLaren).

O aumento de potência é alcançado por meio de um sistema de exaustão otimizado com contrapressão reduzida e desempenho LTR aprimorado que reduz a temperatura do ar de sobrealimentação. O escapamento em si é um intrincado e leve sistema de titânio e Inconel, com duas saídas inferiores ladeando uma saída dupla montada no topo. Pela primeira vez em um carro de rua da McLaren, a ponteira de escape de titânio é criada usando a tecnologia de impressão 3D para gerar uma forma única. A nota de escape do Elva é limpa, nítida e inconfundivelmente potente, como convém a um McLaren Ultimate Series.

A potência do McLaren Elva é complementada por uma configuração de chassi que maximiza a agilidade, o envolvimento e o feedback do piloto, aprimorando a experiência de condução incrivelmente imersiva e cativante. A direção eletro-hidráulica fornece o feedback mais puro, como esperado de um carro quando o design de cabine aberta posiciona o piloto tão perto dos elementos. A suspensão totalmente ativa e hidráulica avançada da McLaren oferece uma capacidade impressionante em todas as superfícies, com configurações exclusivas de software e molas sob medida e válvulas de amortecedor, combinadas com o peso geral extremamente leve do veículo.


0 Commentarios



Seja o primeiro a comentar!


Deixe uma resposta


(obrigatório)