Ases do Volante

Viajando no Tempo

0
Postado 4 de setembro de 2012 por bisponeto em Colunas
“Viajar” no tempo passado, trazer de volta sentimentos e emoções vividas, pode funcionar como ótima terapia para todos os males desta vida. Fazia tempo que pretendíamos viajar no tempo, por antigas estradas poeirentas, a bordo da Tempo, como se estivéssemos na década de 1950, quando então tínhamos, mas, não sabíamos, o prazer de ser jovem e de ter pela frente um mundo inteiro a descobrir.

Eis que, finalmente, tivemos tal oportunidade no dia 25 de agosto|2012, graças à realização de mais um Encontro de Veículos Antigos, acontecido na vizinha cidade de Campo Largo\PR, numa promoção do OldCars Campo Largo – Clube de Veículos Antigos. Por volta das 8,00 horas de um sábado de vasto sol oferecendo seu raios de calor a quem quisessedeles fazer proveito, tomamos, eu e o antigomobilista João Olívio Ewert, proprietário da camioneta Tempo Matador, a antiga estrada Curitiba-Campo Comprido-Campo Largo-Palmeira-Ponta Grossa, testemunha muda das saudosas corridas de carreteiras nas décadas de 1950\60. Por ali muitas vezes passaram, em alta velocidade, jogando terra e pedras para todos os lados, as carreteiras equipadas com motores Ford V8de ases do volante tais como Paulo Buso, Pereréca, Haroldo Vaz Lobo, Celestino Buso, Germano Schlögl, MiroslauSocachewski,Mundito e outros, além de Sílvio Messino com seu Jaguar XK 120, enfrentando “trocentas” curvas,  pontilhões, barrocas e barrancos, tudo pelo prazer único de competir. E foi ali, nesse cenário eivado de recordações e histórias sobre derrapagens e ultrapassagensdas carreteiras, casas antigas, poeira e muito mais, que seguimos em direção a Campo Largo, transpondo o rio Passauna, a localidade de Ferraria, Rebouças e rio Verde.

A Tempo Matador, dirigida por João Olívio, comportou-se muito bem apesar da sua idade, sem nenhum problema mecânico, vencendo galhardamente subidas nas quais teve que ser usada a primeira marcha. Isto, apesar do ronco incessante da caixa de câmbio seca e do estrilo no engate das marchas, quase que impossibilitando conversa entre motorista e passageiro, além do cheiro permanente de gasolina. Ressalte-se que, motor, câmbio, tanque de combustível e tudo o mais estão instalados dentro da própria cabina do veículo, os dois primeiros embaixo e o último na parte frontal. As duas portas são do tipo “suicida”. Já no evento, em Campo Largo, faltou folego ao João Olívio para explicar de onde havia saído aquela “coisa” extra-terrena, com faróis na parte alta da cabina, parecendo os olhos de um caranguejo, pois, ninguém tinha visto algo parecido até hoje e ele saiu-se muito bem nesta tarefa, uma vez que estava munido de manual de fábrica entre outros badulaques, além de conhecermuito bem a história do veículo. O retorno, pelo mesmo caminho, a fim de evitar a rodovia. Como diz o “Robert Charles”, quantas emoções vivemos!

A Tempo Matador foi fabricada em 1952 em Hamburgo\Alemanha por Vidal &Sohn Tempo-WerkGmBH, com motor Volkswaghen de 1.100cc e 25HP (agora está com motor VW de 1600cc), câmbio ZF de 4 marchas,  tração dianteira, sistema elétrico 6 volts, parabrisabi-partido, cabina para duas pessoas, tanque de combustível para 40 litros, caçamba para 1.000 quilos e velocidade de 75km\hora. Detalhe interessante é que, se for preciso, pode trafegar com apenas três rodas. Foi adquirida em 1958, em Curitiba,por João Ewert, avô de João Olívio que veio da Sibéria em 1930. Depois de ficar parado por cerca de 20 anos, o veículo (raro hoje no Brasil, sabendo-se da existência de apenas mais um) foi restaurado por João Olívio, ou seja, está na família há mais de meio século!


0 Commentarios



Seja o primeiro a comentar!


Deixe uma resposta


(obrigatório)