Em Londrina, catarinenses da Mini Challenge voltam a pista

0
Postado 27 de junho de 2012 por bisponeto em Automobilismo
A Mini Challenge, categoria integrante do evento da Stock Car volta as pistas nos próximos dias 30 de junho e 1º de julho, com a realização de suas três corridas do final de semana, para quem gosta de velocidade é emoção na certa.

Mas se para o espectador Londrina é mais uma corrida que reserva emoções fortes, para os pilotos o traçado do circuito Ayrton Senna com seus 3.145m de extensão é mais que um sinônimo de fortes sensações, Londrina tem uma das pistas mais difíceis do calendário da Stock Car. Se ao ouvir falar de uma pista de média velocidade a vida dos pilotos parece mais fácil, acelerar em Londrina traduz o contrário.

Um circuito de difícil ultrapassagem, com poucas áreas de escape e muros bem próximos fazem do traçado, desafiador e prazeroso a quem está acostumado a acelerar a mais de duzentos quilômetros por hora, e Kreis Jr., piloto de Jaraguá do Sul que acelera o Mini Challenge de numero 71, carro que tem o mesmo layout em cor laranja de seu companheiro de equipe Cristian Mohr, de Blumenau [que compete com o carro de numeral 70], ambos patrocinados pela Raumak Maquinas, SMC, Sistema Mormix e Max Mohr Grupo, com o apoio da Onron, Cosmos Turismo, General Belt e Studio FM, sabe que em Londrina, carro e piloto precisam estar em sincronia para que o resultado seja o melhor possível.

“Estou ansioso para voltar acelerar o Mini 71, já que faz mais de 71 dias que participei da última etapa em Curitiba,” relembra o jaraguaense que não participou da ultima corrida da Mini realizada no Velopark (RS) devido a compromissos profissionais no exterior.

“Londrina é o tipo de traçado que mais gosto, pois é mais travado, andei a última vez pela Copa Clio em 2007 neste circuito, uma pista bem técnica onde carro e piloto precisam estar em sintonia para que o tempo venha. Lá a classificação [treino que forma o grid de largada] será a grande diferença, então a sexta feira será o dia mais importante de todo final de semana, como troquei o motor para a etapa do Velopark, mas não pude participar devido a viajem, estou curioso para ver se teremos chance de brigar mais na frente,” completou o piloto.

Configurando-se com uma reta principal de pouco mais de 700 metros, as curvas caixa d’água que dá entrada a reta oposta que tem extensão de pouco mais de 800 metros, a curva do mergulho que é um trecho de alta velocidade feita às cegas, em descida, e que dá sequencia a uma curva travada a esquerda, além da curva da vitória, em subida, são os pontos onde se faz a diferença na tabela de tempos e Cristian Mohr têm a ciência de que o traçado não tolera erros.

“Uma pista que não perdoa. Gosto de Londrina e estou ansioso a acelerar lá, onde ter um carro bom é fundamental, mas uma pilotagem estrema, sem passar do ponto também é,” relatou o blumenauense que pilota o Mini John Cooper Works de número 70, e completou: “Espero ter um carro competitivo para poder fazer o melhor, será uma corrida difícil, mas não por isso menos prazerosa. É colocar o carro na pista, buscar o melhor acerto possível e ver o que vai dar, mas se tudo der certo, tanto eu quanto meu amigo Kreis Jr. estaremos brigando pelo pódio, com certeza”!

As corridas da Mini Challenge tem transmissão ao vivo no domingo pela Band Sports e pelo portal Terra, além de VTs também pelo canal BandNews.


0 Commentarios



Seja o primeiro a comentar!


Deixe uma resposta


(obrigatório)